Copyright 2006/2018 MicroHardware
 Janeiro de 2006
Cava o passado.
Cava e escava,
escravo.
Cava o chão
do passado.

Erra na terra deserta.
Vela a vila desaparecida.
Deita na aldeia abandonada.
Chora na cidade fantasma.

Mas cava, escravo.
Cava e escava o passado.
Cava a esmo no ermo.
Cava o mesmo no mesmo.

(O alucinado sempre
repetindo o filme;
o criminoso sempre
no local do crime.)

Lavra, sulca, escarva.

E assim até chegar
ao carvão mais vivo
do ébrio coração escândalo
que brilho ainda resta:

Uma pr
aça sem crianças - só vândalo
Um Cristo que de longe atesta
Uma praia abandonada
Um peão sem festa